EFEGenebra

A Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou esta quarta-feira uma série de recomendações sobre o uso de máscaras de tecido para proteção do coronavírus, sugerindo que as peças tenham camada tripla e não disponham de válvulas.

Das três camadas, a que fica em contato com a boca aberta deve ser de algodão absorvente, a intermediária de polipropileno e a mais distante do rosto pode ser também de polipropileno ou de um poliéster resistente à humidade, explicou a OMS no seu relatório epidemiológico semanal.

A agência também recomenda que a embalagem da máscara seja verificada para ver se houve aprovação em laboratório, que garanta pelo menos 70% da filtração de pequenas gotas e se conserva as propriedades durante, pelo menos, cinco lavagens.

Além disso, a OMS destaca que as pessoas não devem levar em conta apenas a capacidade de filtração nas também a adaptação ao rosto, já que não devem cobrir apenas nariz e boca, mas também o queixo, sem deixar fugas, e que permitam respirar bem ao utilizá-las.

A agência ainda adverte que usar duas máscaras de tecido ao menos tempo pode oferecer certos riscos, já que poderá dificultar tanto a respiração do utilizador que, muitas vezes, irão precisar de a retirar para conseguir recuperar o fôlego.

A OMS recomenda que as máscaras não médicas devem ser guardadas em sacos de plástico ou outras embalagens seguras, antes e depois do uso, lavadas com sabão e detergente, preferivelmente a 60ºC.

Como alternativa, pode-se lavar com água em temperatura ambiente e sabão, embora a agência aconselhe deixar a máscara em água a ferver durante um minuto.