EFECairo

A ONG Observatório Sírio dos Direitos Humanos divulgou esta sexta-feira que mais de 75 mil pessoas deixaram as casas em que viviam, depois da ofensiva da Turquia no norte da Síria, para ocupar uma faixa de aproximadamente 450 quilómetros.

A organização apontou que as pessoas estão a abandonar as regiões que sofrem os mais intensos ataques, para se refugiar em cidades como a de Raqqa, uma das mais importantes que está sob o controlo dos curdos.

Ainda de acordo com o Observatório, os confrontos continuam em Tell Abiad e Ras al-Ain, onde as Forças da Síria Democrática (FSD), uma aliança de milícias lideradas por curdos, tentam conter o avanço das tropas turcas, que avançam rapidamente e já conquistaram diversas localidades.

Num relatório anterior, a ONG divulgou que os confrontos e os últimos bombardeamentos em Ras al-Ain provocaram inúmeras mortes, embora não tenha dado o número exato.

A Cruz Vermelha curda, no último relatório, divulgou que desde o início da operação turca, na quarta-feira, já foram registadas 16 mortes e 37 pessoas feridas.

A Turquia tem como objetivo acabar com as Unidades de Proteção Popular (YPG), consideradas terroristas pelo Governo de Recep Tayyip Erdogan, devido à ligação com o grupo armado do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK).