EFENações Unidas

O secretário-geral da ONU, António Guterres, apelou este domingo a todos os países para que tomem medidas contra o "aumento chocante" da violência de género que foi identificado como resultado das medidas de contenção a nível mundial para combater o coronavírus.

"Apelei recentemente a um cessar-fogo global imediato para nos concentrarmos na nossa luta comum para combater a pandemia. Fiz um apelo a favor do fim da violência em todas as partes, sem demora. Mas a violência não se limita ao campo de batalha. Para muitas mulheres e raparigas, a ameaça é maior precisamente onde deviam estar mais seguras. Nas suas próprias casas. Por isso, hoje volto a apelar à paz nos lares de todo o mundo", disse Guterres em comunicado.

Segundo Guterres, "sabemos que os confinamentos e as quarentenas são essenciais para reduzir o COVID-19. Mas podem levar a que as mulheres fiquem presas com parceiros abusivos. Nas últimas semanas, com o aumento das pressões económicas e sociais e do medo, assistimos a um aumento global chocante da violência doméstica.

A ONU afirma que, em alguns países, o número de mulheres que pedem assistência duplicou nos últimos dias e que os prestadores de cuidados de saúde e a polícia estão sobrecarregados e com falta de pessoal, enquanto os grupos de apoio local estão paralisados ou subfinanciados.

"Alguns centros para vítimas de violência de género estão fechados; outros estão cheios. É por isso que exorto todos os Governos a fazerem da prevenção e reparação dos casos de violência contra as mulheres uma parte vital dos seus planos nacionais de resposta ao COVID-19", afirmou o chefe da ONU, para quem isto significa "um maior investimento em serviços online e apoio às organizações da sociedade civil".

Além disso, Guterres apelou aos países para que garantam que os sistemas judiciais continuem a processar os abusadores, criem sistemas de alerta de emergência nas farmácias e supermercados e declarem os centros de acolhimento como serviços essenciais.

"Os direitos e liberdades das mulheres são essenciais para sociedades fortes e resilientes. Juntos podemos e devemos prevenir a violência em todo o lado, desde as zonas de guerra até às casas das pessoas, enquanto trabalhamos para derrotar a COVID-19", concluiu Guterres.