EFETóquio

Com uma marca de 17,98 metros, o atleta de origem cubana Pedro Pablo Pichardo devolveu a Portugal, o seu país de adoção desde dezembro de 2017, a medalha de ouro olímpico no triplo salto, que o país tinha ganho pela primeira vez em Pequim 2008 por Nélson Évora.

O chinês Yaming Zhu, com os 17,57 metros do seu penúltimo esforço, ficou com a medalha de prata, enquanto que o bronze foi para o burundiano Hugues Fabrice Zango.

Uma lesão do tornozelo impediu Pichardo de participar nos Jogos do Rio. Cinco anos depois, consegue ressarcir-se com o título olímpico, a maior conquista de uma carreira que inclui duas medalhas de prata em Mundiais (Moscovo 2013 e Pequim 2015) ainda como cidadão cubano.

O atleta português colocou a fasquia bastante alta logo no primeiro salto, de 17,61 metros, e melhorou inclusivamente a marca no terceiro, para 17,98, não dando hipótese aos adversários.