EFECopenhaga

O primeiro-ministro etíope, Abiy Ahmed, ganhou o Nobel da Paz, informou hoje o Comité Nobel da Noruega.

Ahmed vai receber o prémio "pelos seus esforços por conseguir a paz e a cooperação internacional e, em particular, pela sua decisiva iniciativa de resolver o conflito fronteiriço com a vizinha Eritréia".

Com o prémio concedido ao líder etíope, nascido em 1976 em Beshasha, procura-se "reconhecer todos os atores que trabalham a favor da paz e a reconciliação na Etiópia e nas regiões do leste e nordeste de África", aponta o Comité.

O prémio da Paz já foi entregue no ano passado a África, com a distinção ao médico congolês Denis Mukwege, que o compartilhou com a ativista iraquiana yazidi Nadia Murad, ambos galardoados pelos seus esforços para terminar com o uso da violência sexual como arma de guerra e em conflitos armados.

O Nobel da Paz fecha a semana destes prestigiados prémios, que se abriu segunda-feira com o da Medicina, seguido dos de Física e Química, até chegar ontem ao de Literatura. Na próxima segunda-feira conhece-se o último, de Economia.

A escritora polaca Olga Tokarczuk e o seu colega austríaco Peter Handke foram os vencedores do prémio literário de 2018 e 2019, respetivamente.

O Nobel da Literatura é entregue este ano por duas vezes pois o de 2018 ficou em suspenso devido ao escândalo de abusos sexuais que envolveu a Academia.

Todos os prémios serão entregues a 10 de dezembro, aniversário da morte do fundador, Alfred Nobel, numa dupla cerimónia no Konserthus de Estocolmo e na Câmara Municipal de Oslo, onde é entregue o da Paz.