EFEWashington

Uma promessa do presidente dos EUA, Donald Trump, a um líder estrangeiro levou a uma queixa interna na inteligência americana que forçou o seu diretor, Joseph Maguire, a aceitar uma visita ao Congresso na próxima semana, informou o The Washington Post.

A queixa foi apresentada no passado 12 de agosto à Inspeção Geral da Comunidade de Inteligência -encarregada de supervisionar a Direção Nacional de Inteligência-, que por sua vez informou ao Congresso da sua existência, ao considerá-lo um assunto de "preocupação urgente", embora não tenha explicado o seu motivo nem conteúdo.

O Post, no entanto, citando dois ex-funcionários sob condição de anonimato, informou que a queixa tem a sua origem numa "promessa" que Trump terá feito a um líder estrangeiro.

Embora não detalhou de que líder se trataria, nos dias e semanas antes da queixa Trump teve contatos pelo menos com o presidente russo, Vladimir Putin; o líder norte-coreano, Kim Jong-un; o primeiro-ministro paquistanês, Imran Khan; o emir do Catar, Tamim bin Hamad al Zani; e o primeiro-ministro holandês, Mark Rutte.

Apesar de já se saber da existência da queixa, a informação do Post é a primeira que envolve Trump.

A queixa provocou ainda um braço de ferro entre o presidente do Comité de Inteligência da Câmara Inferior, Adam Schiff, e Maguire, que recusou proporcionar ao Parlamento uma cópia do documento ou detalhar o seu conteúdo.

Maguire, no entanto, acordou ir a esse comité numa sessão programada para o próximo 26 de setembro às 09h00 locais (13h00 GMT).