EFE

Barcelona (Espanha)/

A cantora colombiana Shakira será julgada em Espanha após ter sido acusada de defraudar 14,5 milhões de euros ao Fisco, simulando não residir no país e ocultando rendimentos através de um esquema com sede em paraísos fiscais.

A Audiência de Barcelona rejeitou esta quinta-feira o recurso da cantora para evitar uma ida a julgamento e confirmou que há suficientes indícios para a julgar no âmbito do processo que a Procuradoria apresentou por seis delitos contra o Fisco espanhol.

Shakira já pagou os 14,5 milhões de euros que a Agência Tributária de Espanha lhe exigia -mais outros três milhões em juros- relacionados com uma suposta fraude fiscal cometida entre os anos 2012 e 2014, o que no entanto não impede que acabe sentada no banco dos réus a pedido do Ministério Público.

Após a divulgação da decisão da Audiência de Barcelona, a cantora afirmou, através de comunicado, que vai continuar a defender a sua inocência na justiça juntamente com a sua equipa de advogados.

Na nota, Shakira garantiu que a conduta relacionada com o pagamento de impostos em todos os países em que precisou de o fazer "sempre foi irretocável".

Além disso, a artista destaca que o tribunal catalão não avaliou se cometeu fraude fiscal, "nem descarta os argumentos apresentados pela defesa", limitando-se a "intimar as partes a apresentar alegações num momento processual diferente do atual".

"A rejeição do recurso de apelação é, simplesmente, mais um passo do processo, que agora segue o seu trâmite habitual", diz o texto.

Shakira garante que a defesa apresentará "argumentos jurídicos de peso, provas irrefutáveis e relatórios periciais de profissionais de reconhecido prestígio no campo tributário", que incluem um especialista e um juiz do Supremo Tribunal de Espanha.