EFETóquio

A cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos de Tóquio começaram no ritmo da tradição japonesa, com a madeira e a história da capital do Japão como protagonistas sob as luzes brancas e vermelhas da bandeira do país.

Tóquio, conhecida como Edo de 1603 a 1868, apresentou uma das características que floresceram durante esse período, o uso da madeira e do serviço de carpintaria, símbolos tradicionais do cuidadoso trabalho da arquitetura japonesa.

Os bailarinos, vestidos com o tradicional casaco "haori", como os trabalhadores da época costumavam usar, simularam a carpintaria para enfatizar a madeira, essencial na cultura nacional.

Ao ritmo de uma canção popular, foi feita uma homenagem à Associação dos Bombeiros de Edo, fundamental antigamente e atualmente para salvar estas estruturas do fogo.

O elenco de atores espalhou-se pelo centro do Estádio Olímpico liderados por Miki Maya, uma conhecida atriz do teatro feminino Takarazuka, e levaram ao centro os anéis olímpicos, feitos com uma madeira especial e com quatro metros de diâmetro cada.

Nos Jogos Olímpicos de 1964, os primeiros no Japão, atletas de vários países participantes portaram sementes de árvores que foram plantadas no Japão e hoje, 50 anos depois, a madeira originada voltou ao estádio sob a forma de anéis.

O Estádio Olímpico, projetado pelo arquiteto Kengo Kuma, também revela a importância e a tradição da madeira no país, uma vez que a sua estrutura é revestida com madeira proveniente das 47 províncias do Japão.