EFEBruxelas

A Comissão Europeia (CE) conseguiu esta terça-feira 20.000 milhões de euros numa emissão de dívida a dez anos, a primeira operação destinada a financiar o fundo de recuperação da União Europeia, que registou uma procura superior a 142.000 milhões de euros.

Os títulos, com data de vencimento de 4 de julho de 2031, foram colocados com juros dois pontos abaixo do "mid swap", segundo fontes dos mercados.

A União Europeia inaugura assim uma estratégia de emissão de dívida que a vai levar a captar no mercado cerca de 800.000 milhões de euros até 2026, tanto em dívida como em letras, para financiar as subvenções e empréstimos que vai conceder aos países para o combate à crise gerada pela pandemia de covid-19.

Trata-se de uma operação sem precedentes na história comunitária, tanto pelo seu volume como pelo projeto, dado que as emissões estão apoiadas pelas margens de recursos próprios do orçamento comunitário para 2021-2027, ou seja, por todos os países da UE, apesar de uns beneficiarem mais do fundo do que outros.

O Executivo comunitário espera captar cerca de 80.000 milhões de euros este ano e, de momento, tem previsto realizar outras duas operações sindicadas antes de agosto. A partir de setembro espera emitir também letras.

Para o fundo de recuperação, a CE prevê emitir à volta de 30% do total, cerca de 270.000 milhões de euros, em obrigações verdes, ou seja, destinadas a financiar projetos de luta e mitigação das alterações climáticas ou ambientais.

O Executivo comunitário tem previsto aprovar esta semana os primeiros planos de recuperação nacionais e espera poder fazer os primeiros desembolsos em agosto.