EFEBerlim

A covid-19 vai-se tornar numa doença endémica até ao final deste ano, segundo o virologista alemão Christian Drosten, que indicou que a vacinação de toda a população a cada poucos meses não é uma estratégia viável a longo prazo.

"Esperamos chegar a uma situação endémica. No final do ano, ou chegamos lá ou estaremos quase lá", disse Drosten durante uma conferência de imprensa em Berlim com o Ministro da Saúde germânico, Karl Lauterbach e o presidente do Instituto Robert Koch de Virologia (RKI), Lothar Wieler.

O virologista do hospital Charité salientou a importância de imunizar rapidamente a maior percentagem possível da população e previu um hipotético futuro em que os cidadãos mais velhos recebem uma dose de reforço para a covid a cada outono tal como acontece atualmente contra a gripe.

Drosten mostrou-se contra "vacinar toda a população a cada poucos meses", uma vez que isso é algo que "não funciona".

Em vez disso, afirmou, chegará uma altura em que será necessário deixar o próprio vírus "atualizar" a imunidade da população, um processo que está "mais avançado" noutros países.

"A questão é se podemos fazer isto já na Alemanha", disse Drosten, que deu a entender que ainda é demasiado cedo para correr esse risco.

Segundo o presidente da RKI, Lothar Wieler, a chegada de uma quinta vaga ligada à variante Ómicron marca o início de uma "nova fase" da pandemia, na qual a taxa de hospitalizações será mais relevante do que o número total de casos.

Segundo Wieler, a variante Ómicron já é predominante na Alemanha e representa 70% do total de casos, enquanto no momento uma em cada cem pessoas no país está infetada com o vírus.