Nova Iorque, 16 jan (EFE) - A organização civil mundial Avaaz denunciou na quinta-feira que o algoritmo do YouTube promove a desinformação sobre a crise climática, especialmente ao recomendar o vídeo seguinte ao utilizador.

Através de um relatório, a Avaaz examinou os vídeos que o YouTube recomenda aos seus utilizadores quando procuram os termos "aquecimento global", "alterações climáticas" ou "manipulação climática" na plataforma, e focou especificamente nos vídeos que o YouTube subsequentemente sugere aos seus utilizadores, tanto na barra de sugestões da aplicação móvel como no site.

Os algoritmos de recomendação do YouTube são responsáveis por cerca de 70% do tempo total que os utilizadores passam na plataforma e "retroalimentam-se" sobre as preferências dos espectadores, portanto, se uma pessoa está interessada em conteúdo negativo sobre as alterações climáticas, a tendência da plataforma é direcioná-lo a mais conteúdo deste tipo.

Esta forma de redirecionar o tráfego do YouTube foi anteriormente denunciada por perfis relevantes da opinião pública ou mesmo pelos próprios "youtubers", especialmente no que diz respeito à proliferação de "fatos alternativos", à desinformação e ao aumento da extrema-direita nos Estados Unidos e na Europa.

De acordo com o relatório da Avaaz sobre a crise climática, 16% dos primeiros 100 vídeos relacionados para o termo de pesquisa "aquecimento global" continham desinformação, com uma média de mais de um milhão de visualizações por vídeo entre os dez primeiros.

Para os vídeos relacionados recomendados aos utilizadores que pesquisaram por "alterações climáticas", este número é igual a 8% e sobe para 21% para o termo de pesquisa "manipulação climática".

A coordenadora da campanha da Avaaz, Julie Deruy, informou que o YouTube é o maior canal de transmissão audiovisual do mundo e "está a promover conteúdo desinformativo sobre as alterações climáticas para milhões de pessoas enquanto o nosso planeta está em chamas".

"Não é uma questão de liberdade de expressão, é sobre a publicidade gratuita que o YouTube está a dar a vídeos que contêm informações erradas com o risco de confundir as pessoas sobre uma das maiores crises do nosso tempo", disse.

Deruy disse que a conclusão é que o YouTube "não deve apresentar, sugerir, promover, anunciar ou direcionar os seus utilizadores para conteúdo desinformativo".