EFEPequim

O HSBC, o maior banco da Europa, anunciou esta terça-feira que o seu lucro líquido atribuível caiu 53% em 2019 em comparação ao ano anterior, ficando nos 5.538 milhões de euros.

Nos resultados do ano passado, publicados hoje no seu site oficial, o HSBC afirma que algumas áreas dos seus negócios não estão a oferecer rendimentos aceitáveis, pelo que o grupo está a traçar um plano para "aumentar os retornos para os investidores, criar capacidade para investimentos futuros e construir uma plataforma para o crescimento".

O lucro antes de impostos foi de 12.280 milhões de euros, menos 33% que o de 2018, enquanto o lucro operacional caiu 36,65%, até 10.149 milhões de euros.

As receitas operacionais totais em 2019 ficaram em 65.562 milhões de euros, dados 11% superiores aos do ano anterior.

Segundo o diretor-executivo do Grupo HSBC, Noel Quinn, os resultados devem-se a uma deterioração dos fundos comerciais, mas assinala que o banco é "resiliente" e que ele e a sua equipa de administração já começaram a implementar o seu plano.

Quinn disse que o grupo pretende reduzir o capital e os custos em negócios de baixo rendimento, assim como investir em negócios com retornos mais fortes.

"Também planeamos simplificar a nossa complexa estrutura organizacional, incluindo a redução de custos, para melhorar a eficiência do grupo", disse.

O diretor acrescentou que o banco vai tentar reduzir algumas das suas operações na Europa e transferi-las para a Ásia.