EFEWashington

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, prometeu esta quinta-feira que haverá um corte de impostos para cerca de 50 milhões de famílias de classe média e um aumento para os mais ricos.

Num discurso na Casa Branca, Biden garantiu que será "um corte de impostos histórico para a classe média". Por outro lado, o presidente disse que as grandes corporações e os mais ricos terão de começar a pagar "a sua parte justa de impostos".

Biden considera que os EUA têm agora que escolher entre continuar como tem estado, com grandes corporações a beneficiarem "esmagadoramente" do crescimento da economia, ou enveredar por um novo caminho que favorece a todos.

"Os dados são absolutamente claros: nos últimos 40 anos os ricos ficaram mais ricos e muitas corporações perderam o senso de responsabilidade para com os seus trabalhadores, as suas comunidades e o país", comentou.

Biden observou que, no passado, os executivos corporativos eram pagos 20 vezes mais do que seus funcionários, enquanto hoje a disparidade chega a ser de 350 vezes mais.

"E como é possível que 55 das maiores corporações do país paguem zero dólares de impostos de rendimentos? Ganharam cerca de 40.000 milhões de dólares em 2020 e pagaram zero", criticou.

O presidente dos EUA considerou que o país está atualmente num "ponto crítico", num momento em que as decisões podem mudar a trajetória da nação por anos e décadas.

"Como eu disse quando anunciei que ia concorrer (às eleições), acho que este é um momento de grande potencial de mudança, um momento para trazer os trabalhadores de volta à economia, um momento para mostrar aos americanos que o Governo trabalha para eles, não apenas para as grandes corporações e aqueles que estão no topo", lembrou.

Biden também denunciou a possibilidade de que os mais ricos, que constituem 1% dos contribuintes, estarem a fugir do fisco em cerca de 116.000 milhões de dólares e que ele pretende acabar com isso, alocando mais recursos para a Receita Federal para rever as contas bancárias.

Há três dias, os democratas propuseram num comitê da Câmara um aumento de impostos para os mais ricos e para as empresas que ganham mais de 5 milhões de dólares por ano.

Os democratas esperam que o aumento de impostos arrecade 2,9 biliões de dólares em dez anos para pagar o programa de gastos sociais de Biden, com um custo de 3,5 biliões, que o seu partido quer passar pelo Congresso antes do final deste mês. O plano ainda não foi elaborado, e vários comités do Congresso estão atualmente a analisar exatamente o que incluir neste.