EFEMadrid

A criptomoeda mais conhecida, o bitcoin, começa 2018 num momento de auge, em que se espera que se autorize o primeiro fundo cotado sobre este ativo, para além da aprovação de medidas a favor e em contra em diferentes países, enquanto os reguladores lançam advertências sobre esta moeda.

Segundo um relatório do site Patrón Bitcóin, o uso desta criptomoeda terá "profundas consequências" no sistema financeiro e afetará a organização social, algo que já está a começar a acontecer em Espanha, onde há uma empresa que paga aos seus funcionários parte do salário em bitcoins.

Isso depois da moeda ter sido "legitimada" em dezembro passado, ao ser aceite primera vez em dois mercados de futuros dos EUA, um deles a Bolsa Mercantil de Chicago, a plataforma de derivados financeiros mais importante do país, e o índice bolsista NASDAQ, que anunciou que fará o mesmo este ano.

O bitcoin, moeda digital desenvolvida em 2009 por Satoshi Nakamoto (alcunha, cuja identidade real se desconhece), sustenta-se na tecnologia "blockchain" ou de cadeia de blocos, base também de outras moedas encriptadas, o que permite a sua descentralização.