EFEWashington (EUA)

A empresa Boeing recomendou a suspensão das operações dos 69 aviões do modelo 777 que estão em serviço e dos 59 em estoque, todas com motores do tipo "Pratt & Whitney", após o incidente ocorrido no último sábado com um deles em pleno voo.

"A Boeing está a inspecionar ativamente o incidente relacionado com o voo 328 da United Airlines. Enquanto a investigação (pelas autoridades) estiver em andamento, recomendamos suspender as operações das 69 aeronaves 777 em serviço e 59 em armazenamento com motores 'Pratt. & Whitney 4000-112' até que a Administração Federal de Aviação (FAA, sigla em inglês) identifique o protocolo de inspeção apropriado".

"A Boeing apoia a decisão tomada este domingo pelo Escritório de Aviação Civil do Japão e a iniciativa desta segunda-feira da FAA de suspender as operações de aeronaves 777 com motores Pratt & Whitney 4000-112", afirma a empresa aeronáutica.

A decisão chega depois do incidente registado no último sábado por um desses aviões da United Airlines, que descolou desde a cidade americana de Denver, no Colorado, com destino a Honolulu, no Havai.

A aeronave teve que regressar de emergência após ter tido problemas com um motor, cujas peças caíram num subúrbio da capital do estado do Colorado, informaram as autoridades.

O avião, um Boeing 777-200, voltou ao Aeroporto Internacional de Denver e pousou "com segurança, depois de ter sofrido uma falha no motor direito logo após a descolagem", disse a FAA em comunicado.

"Estamos a retirar voluntária e temporariamente 24 aeronaves Boeing 777 com motores Pratt & Whitney 4000 do nosso programa", disse a American Airlines na sua conta no Twitter.

A empresa afirma que irá continuar "a trabalhar em estreita colaboração com os reguladores para determinar quaisquer etapas adicionais" e que espera que estes problemas apenas afetem um pequeno número de clientes.

"A segurança continua a ser a nossa principal prioridade, pelo que as nossas equipas participam num amplo treino para preparar e gerir incidentes como o (voo de Denver) UA328", conclui a companhia aérea.

De acordo com a imprensa americana, com base nos dados de registo de aeronaves mais recentes, as únicas companhias aéreas a operar com os motores afetados estão nos Estados Unidos, Japão e Coreia do Sul.