EFEBrasília

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, deu a entender este sábado que a próxima semana vai demitir o chefe do Banco Nacional de Desenvolvimento Económico e Social (BNDES), Joaquim Levy, de quem afirmou que "não está a ser leal".

Em breves declarações a jornalistas, o governante disse que falou com Levy para demitir o diretor da área de Mercado de Capitais do BNDES, Marcos Barbosa Pinto, quem trabalhou nos Governos que presidiram Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010) e Dilma Rousseff (2011-2016).

"Já estou por aquim com Levy. Já lhe disse que demita esse tipo ou que o demitido era ele", afirmou o líder da extrema-direita, que prometeu "limpar de socialistas e comunistas" toda a administração pública.

Bolsonaro sustentou que "um Governo tem de ser assim" e que não pode ter "pessoas suspeitas em cargos importantes", como o que ocupa atualmente Barbosa Pinto.

"Já há algum tempo que Levy não está a ser leal ao que acordamos e àquilo que conhece sobre mim", indicou o líder, quem deu a entender que na próxima semana irá decidir a situação do presidente do BNDES.

Levy também ocupou cargos no Governo de Lula e chegou a ser ministro de Fazenda durante um ano na gestão de Rousseff, ambos do Partido dos Trabalhadores (PT, progressista).