EFEBruxelas

O comissário europeu de Mercado Interno, Thierry Breton, disse esta quarta-feira que devem ser criadas na União Europeia "megafábricas" que possam produzir a "grande escala" os "mais avançados" semicondutores de 2 nanómetros ou menos.

"Temos que apoiar o desenvolvimento de fábricas europeias -'megafábricas'- com capacidade para produzir em grande escala os mais avançados e eficientes semicondutores de 2 nanómetros ou menos", escreveu Breton na sua conta de LinkedIn.

O comissário será o encarregado de desenvolver a Lei Europeia de Chips, anunciada hoje pela presidente do Executivo comunitário, Ursula Von der Leyen, durante o seu segundo discurso no Parlamento Europeu sobre o Estado da União.

Este é um dos três parâmetros que, segundo Breton, deverão ser cumpridos pelo novo regulamento, que ainda não tem datas.

Para além disso, e associada ao requisito anterior, terá de ser concebida uma estratégia para "levar ao nível seguinte" as ambições de investigação da Europa e para "preservar" ao mesmo tempo os interesses estratégicos da UE no fabrico de chips.

A Lei Europeia de Chips deverá por último estabelecer um quadro para a cooperação internacional, porque "a intenção não é produzir tudo por conta própria aqui na Europa", disse Breton.

"Além de tornar a nossa produção local mais resistente, precisamos de desenhar uma estratégia para diversificar as nossas cadeias de abastecimento a fim de reduzir a dependência excessiva de um único país ou região", disse o comissário francês.

O objetivo da Comissão Europeia é aumentar a produção de semicondutores em 20% até 2030.