EFEBruxelas

A Comissão Europeia vai apresentar esta quinta-feira uma iniciativa para proporcionar subsídios públicos apoiados pelo conjunto da União Europeia para ajudar na manutenção do emprego nos países mais afetados pelo coronavírus, mais especificamente através de sistemas como os Expedientes de Regulação Temporária de Emprego.

A presidente do Executivo comunitário, Ursula von der Leyen, anunciou esta quarta-feira a apresentação deste esquema, batizado como "Sure", mas não precisou como será financiado, qual será o seu volume ou que requisitos os países terão que cumprir para receber ajudas.

A proposta foi debatida esta quarta-feira pelo colégio de comissários e espera-se que seja adotada e apresentada na quinta, embora ainda esteja a ser trabalhada, segundo indicou um porta-voz da Comissão.

"Está destinada a ajudar Itália, Espanha e outros países que têm sido duramente atingidos. E isto será feito graças à solidariedade de outros Estados membros", disse Von der Leyen num vídeo publicado em vários idiomas na rede social Twitter.

Bruxelas propõe mais especificamente que os países ponham em marcha sistemas de trabalho temporário, através dos quais outorguem às empresas subsídios públicos que lhes permitam manter funcionários e continuar a pagar o salário mesmo que a sua atividade se tenha reduzido com a pandemia.

Para os manter no posto, no tempo livre, os trabalhadores podem realizar cursos de formação, segundo von der Leyen, que destacou que ao continuar a receber os salários poderão também continuar a pagar alugueres ou fazer compras, o que teria um impacto positivo na economia.

"Vai ajudar os países mais afetados e está garantido por todos os Estados membros", disse Von der Leyen, sem precisar se as ajudas vão sair dos remanescentes do atual orçamento europeu, já que ainda não há um novo, da emissão de dívida ou de outra fonte de financiamento.