EFEPequim

A China vai ter 38.000 quilómetros de linhas ferroviárias de alta velocidade em 2025, frente às 25.000 atuais que já representam dois terços do total mundial, destacou hoje um responsável da rede ferroviária nacional citado pela agência oficial Xinhua.

No ano 2018 prevê-se a construção de 4.000 novos quilómetros de linhas férreas na China, 3.500 dos quais serão de alta velocidade, apontou o diretor-geral da Corporação de Ferrovias da China, Lu Dongfu.

Em meados da próxima década também se prevê passar dos 127.000 quilómetros totais de ferrovia da atualidade a 175.000 quilómetros, acrescentou.

No recém terminado ano 2017 registaram-se 3.040 milhões de viagens de comboio no país, um aumento homólogo de 9,6%, 56% das quais se realizaram em comboios de alta velocidade.

Em setembro, alguns dos comboios bala chineses -em trajetos da linha entre Pequim e Xangai- aumentaram a sua velocidade máxima de 300 a 350 quilómetros por hora, com o qual a alta velocidade deste país voltou a ser a mais rápida do mundo, superando os 320 km/h das redes de França ou Japão e os 310 km/h dos espanhóis AVE.

A China multiplica por mais de seis a longitude da segunda maior rede mundial de comboios de alta velocidade, que é a de Espanha, com cerca de 3.100 quilómetros, e ambos países, junto a França, Japão e outras potências do setor, competem diretamente por exportar estas tecnologias a outros mercados.