EFESão Paulo

A confiança dos consumidores brasileiros aumentou 1,9 pontos em junho e ficou em 88,5 pontos, o que pôs fim a uma sequência negativa de quatro descidas consecutivas, informou esta terça-feira o centro de estudos económicos Fundação Getúlio Vargas (FGV).

A subida do Índice de Confiança do Consumidor (ICC) esteve impulsionada pelo "ajuste das expectativas", que tinham "piorado muito" entre janeiro e maio deste ano, e "passaram de um perfil otimista a um pessimista em apenas quatro meses", segundo o estudo.

No entanto, apesar da subida, o indicador manteve-se num "baixo nível" em termos históricos, segundo os FGV.

A coordenadora dos estudos da FGV, Viviane Seda Bittencourt, explicou que os números passaram a refletir em junho um perfil "neutro" e alertou sobre as dúvidas que existem à volta da economia brasileira.

"Com o mercado de trabalho a avançar lentamente, os resultados ainda podem demorar a influenciar significativamente as percepções sobre a economia no momento", ressaltou Bittencourt, citada no relatório.

O estudo mostra também que a satisfação dos consumidores no Brasil manteve-se estável em junho, enquanto as expectativas a respeito dos próximos meses melhoraram.

Assim, o chamado Índice da Situação Atual voltou a ficar nos 73,4 pontos, enquanto o Índice de Expectativas avançou 3,2 unidades e ficou em 99,7.