EFEBruxelas

A confiança dos consumidores e empresários na economia da Zona Euro aumentou 1,1 pontos em julho para 119, o valor mais alto desde o início dos registos em 1985, segundo o indicador de Sentimento Económico (ISE) publicado esta quinta-feira pela Comissão Europeia (CE).

A União Europeia (UE) como um todo também registou um aumento, de 0,9 pontos, para 118, outro máximo histórico.

"Em comparação com os últimos meses, a última melhoria foi muito mais fraca, sugerindo que o indicador se está a aproximar do máximo", informou a CE em comunicado.

Entre as grandes economias dos 27, verificaram-se aumentos da confiança em França (+4 pontos) e, em menor grau, em Itália e Espanha (1,7 pontos em ambos os casos).

O aumento de 0,9 pontos no sentimento económico na UE deveu-se à subida de 1,3 pontos na confiança da indústria, que atingiu outro máximo.

A confiança dos serviços também cresceu, 1,3 pontos, chegando a um nível não visto desde agosto de 2007.

A confiança do consumidor pôs fim a um aumento de cinco meses, que tinha elevado o indicador acima do seu nível anterior à pandemia, caindo 1,1 pontos.

As avaliações das famílias sobre as condições económicas futuras e, em menor medida, sobre as suas futuras condições financeiras, bem como as suas intenções de fazer grandes compras, desvaneceram-se, enquanto que as avaliações da sua situação financeira passada se mantiveram praticamente inalteradas.

Após quatro aumentos consecutivos significativos, a confiança do comércio a retalho manteve-se praticamente plana, baixando 0,2 pontos, e a confiança no setor da construção diminuiu 0,8 pontos.

A confiança dos serviços financeiros, que não faz parte do Indicador de Sentimento Económico, diminuiu 0,4 pontos.