EFEWashington

O fundador da Tesla, Elon Musk, afirmou na sexta-feira que os investidores da companhia de carros elétricos o convenceram para não privatizar a empresa, pelo que vai permanecer nos mercados de ações públicas.

"Embora a maioria dos acionistas com quem falei disseram que permaneceriam com a Tesla se nos privatizássemos, o sentimento, em poucas palavras, era 'por favor, não faça isto'", disse Musk, através de um comunicado.

Musk disse que tomou a decisão com os comentários dos acionistas, incluindo investidores institucionais, que argumentaram que têm regras internas que limitam o quanto podem investir em uma empresa privada.

"Eu sabia que o processo de privatização seria um desafio, mas está claro que consumiria mais tempo e seria uma distração do que foi inicialmente planeado. Isto é um problema, pois devemos nos manter focados em aumentar o Modelo 3 e ser rentável. Não alcançaremos a nossa missão de avançar a energia sustentada a menos que também sejamos financeiramente sustentáveis", insistiu.

Além disso, Musk acrescentou que depois das consultas, reuniu-se na quinta-feira com o Conselho Diretivo, e comunicou a decisão final de "manter pública" a empresa, algo que o Conselho "esteve de acordo".

No início deste mês, Musk colocou nas redes sociais a possibilidade de retirar a companhia da Bolsa, após que as suas ações registaram um aumento drástico e a sua cotação foi temporariamente suspensa.

A avaliação desta possibilidade foi aberta depois de que o empresário criticou abertamente os vendedores de ações da Tesla, que, segundo ele, prejudicam o desenvolvimento da empresa.

Musk também enfrenta preocupações sobre se a fábrica da empresa em Fremont (Califórnia), conta com fundos suficientes para aumentar de forma sustentável a produção do Modelo 3 e sustentar os seus planos de crescimento com a introdução de novos veículos e novas infraestruturas.

Depois de suspender a sua cotação, Musk enviou uma carta formal aos funcionários da Tesla, onde explicava que a decisão de retirar a empresa da Bolsa não era final e listou as razões pelas quais a mudança foi proposta.