EFEBruxelas

O presidente do Eurogrupo, Paschal Donohoe, disse esta sexta-feira que a União Europeia (UE) tem as ferramentas e medidas para responder à pandemia do coronavírus e apoiar a recuperação do emprego.

"Estamos a fazer frente e a ocupar-nos de tantas coisas dentro da União Europeia durante esta pandemia, mas estamos a fazer progressos; temos as ferramentas e medidas necessárias para permitir que a União responda a esta pandemia e apoie os nossos cidadãos na reconstrução dos seus trabalhos e rendimentos", disse o político irlandês.

Donohoe acrescentou, antes de uma videoconferência realizada esta sexta-feira pelos ministros das finanças da Zona Euro (Eurogrupo) que este é "o tema constante em todas as reuniões do Eurogrupo neste momento".

Entre as medidas que o clube comunitário aprovou para responder à crise económica do coronavírus está o fundo de recuperação de 800.000 milhões de euros (a preços correntes), cuja implementação poderá atrasar-se após o recurso interposto junto do Tribunal Constitucional alemão contra a legislação que o ratifica naquele país.

Além disso, foi criado o fundo SURE, com 100.000 milhões de euros em empréstimos para cobrir os mecanismos de redução do horário de trabalho, tais como o "lay-off" português, enquanto os Governos dos Estados-membros também aprovaram os seus próprios planos nacionais de ajuda.

Os ministros vão discutir na reunião desta sexta como fazer convergir as diferentes legislações nacionais sobre insolvência, uma questão que está em cima da mesa há anos e que está a ganhar importância tendo em conta o aumento das falências de empresas que se espera uma vez que a ajuda do âmbito da pandemia seja retirada.

Também está na ordem do dia o trabalho sobre o sindicato bancário e o euro digital, embora não se esperem decisões concretas em nenhuma destas áreas.