EFELondres

A Facebook contratou Ed Bowles, diretor do banco britânico Standard Chartered, antes de lançar a sua criptomoeda e outros serviços financeiros, informa esta sexta-feira o "Financial Times".

O jornal londrino afirma que a empresa de Mark Zuckerberg prepara-se desta forma para um previsível aumento da fiscalização na Europa ao nível político e dos organismos reguladores.

Segundo o "FT", Bowles, atualmente diretor de assuntos públicos e corporativos do Standard Chartered, vai entrar para a equipa da Facebook em setembro como diretor de políticas públicas, com sede em Londres.

Nem a empresa americana nem o executivo confirmaram a notícia oficialmente.

Em janeiro, a Facebook contratou como diretor de comunicação global o ex-vice-primeiro-ministro britânico Nick Clegg, que tem experiência em negociações com a União Europeia (UE).

Já em abril, Zuckerberg reuniu-se com o governador do Banco de Inglaterra, o canadiano Mark Carney, para analisar o futuro dos bancos digitais, lembra o "FT", que afirma que o empresário conversa também com os órgãos reguladores no seu país.

O jornal americano "The Wall Street Journal" revelou na quinta-feira que a Facebook se associou a várias empresas tecnológicas, financeiras e de comércio eletrónico para pôr em circulação uma criptomoeda própria que permita realizar transações entre particulares e com estabelecimentos.

O projeto de divisa, que pode ser apresentado na próxima semana, contaria com o apoio de companhias como Visa, MasterCard, PayPal e Uber, que farão parte de um consórcio chamado "Associação Libra" que atuará como entidade supervisora.

Segundo o jornal, não ter o controlo direto da divisa digital daria à Facebook maior margem de manobra relativamente à possível fiscalização à qual a empresa será submetida pelos governos e órgãos reguladores de todo o mundo, que já suspeitam da companhia em questões de privacidade e gestão de dados dos utilizadores.