EFESão Francisco (EUA)

A Facebook planeia mudar o nome da sua empresa na próxima semana para refletir o seu novo enfoque na construção do que batizou como "metaverso", um espaço de encontro entre indivíduos no universo digital, segundo o órgão de notícias multimédia The Verge.

O meio especializado americano, que cita uma fonte ligada ao assunto, afirma que o diretor-executivo da Facebook, Mark Zuckerberg, pretende falar sobre o tema na conferência anual da empresa, Connect, a 28 de outubro.

No entanto, o The Verge diz que a mudança de nome poderá ser revelada antes disso e tem como objetivo destacar a ambição da gigante tecnológica de ser conhecida por algo mais que as redes sociais e todos os males associadas a estas.

Além disso, a mudança de marca posicionaria a própria rede social Facebook dentro do grupo no qual já se encontram outras redes, como o Instagram, WhatsApp e Oculus.

Também poderá servir, segundo o meio, para evitar o intenso escrutínio a que a rede social tem sido sujeita nos últimos meses, o que é um dos objetivos futuros que Zuckerberg estabeleceu.

A notícia chega poucos dias depois da empresa ter anunciado novos controlos nas suas plataformas para proteger crianças e adolescentes e enfrentar assim a crise de reputação que atravessa depois de uma antiga trabalhadora a ter acusado de esconder o facto de que estas plataformas são prejudiciais para menores.

Frances Haugen, antiga funcionária da Facebook, disse ao Senado dos EUA que a empresa coloca os lucros à frente da segurança dos utilizadores e esconde o facto das suas plataformas serem prejudiciais para as crianças, fomentam a divisão social e enfraquecem a democracia.

Haugen, que anteriormente divulgou documentos internos da empresa ao Wall Street Journal, deu ao Senado um retrato impiedoso da empresa, porque durante o seu tempo de trabalho lá apercebeu-se de uma "verdade devastadora": a Facebook oculta informação ao público e Governos.

The Verge, que assegura que o novo nome é um segredo, recorda que a Facebook não é a primeira empresa tecnológica a mudar o seu nome à medida que se expande e cresce.

Em 2015, a Google reorganizou-se completamente sob uma holding chamada Alphabet, em parte para sinalizar que já não era apenas um motor de busca. Já a Snapchat mudou o seu nome para Snap Inc. em 2016, no mesmo ano em que começou a chamar-se a si própria "empresa de câmaras" e estreou o seu primeiro par de óculos com câmara, o Spectacles.