EFEBanguecoque

A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, disse esta segunda-feira durante uma visita oficial à Malásia que a guerra comercial entre os Estados Unidos e a China não vai beneficiar ninguém a longo prazo.

Lagarde afirmou que as perdas irão afetar também os países que a curto ou médio prazo estão a encontrar oportunidades comerciais em prol das tensões entre ambas as potências económicas.

Por isso, afirmou Lagarde à imprensa local, o FMI prevê uma "redução de 0,5% no crescimento global para 2020 como resultado da imposição de tarifas de 25% em todo o comércio entre EUA e China".

A máxima representante do FMI expressou "preocupação" com a escalada protecionista entre ambas potências, embora tenha dito que neste ano "o crescimento não será reduzido" devido ao lento desenvolvimento da economia mundial, durante uma conferência de imprensa junto à governadora do Banco Central da Malásia, Shamsiah Mohd Yunus.

Para Lagarde, que vai participar este fim de semana no Japão da reunião de líderes do G20, uma guerra comercial irá traduzir-se numa travagem forte em investimentos, comércio e consumo, segundo informou a agência oficial malaia "Bernama".

A diretora do Fundo Monetário disse que qualquer passo para resolver a situação atual de tensões é positivo para a economia mundial.

Lagarde vai-se reunir durante a sua visita à Malásia com o primeiro-ministro do país, Mahathir Mohamad, e com o ministro de Economia, Lim Guan Eng, com quem irá conversar sobre medidas para combater a corrupção e outras políticas económicas.