EFELisboa

A petrolífera portuguesa Galp anunciou esta segunda-feira perdas de 42 milhões de euros durante 2020, face aos 560 milhões de lucros de 2019, devido à crise provocada pela pandemia de covid-19.

Segundo um comunicado da companhia, "os resultados da Galp em 2020 refletem o desafio sem precedentes gerado pela pandemia global de covid-19", nos quais os seus ativos líquidos (cash flow) caíram 46% frente ao ano anterior, até 1.025 milhões de euros.

O ebitda (lucros antes de impostos) ficou em 1.570 milhões de euros, uma caída homóloga de 34%, enquanto a dívida líquida cresceu 44% durante o ano passado, até 2.066 milhões de euros.

O investimento durante 2020 chegou aos 830 milhões de euros, nos quais se destacam os 325 milhões que pagou à ACS pela aquisição de 75% da sua filial fotovoltaica em Espanha.

O conselho de administração vai propor um dividendo de 35 cêntimos por ação relativamente aos lucros de 2020, uma redução de 50% na remuneração aos acionistas face ao ano anterior.

Das duas refinarias que a Galp gere em Portugal, as únicas em todo o país, apenas a de Sines está operativa, já que a petrolífera portuguesa anunciou em finais do ano passado que ia deixar de operar a sua central em Matosinhos devido aos ajustes de consumo de combustível no mercado ibérico causados pela covid-19.