EFEBudapeste

O Governo da Hungria acusou esta terça-feira a Comissão Europeia (CE) de reter os fundos de recuperação que lhe correspondem por motivos políticos e sem bases legais.

"A CE não tem fundamento para reter, por motivos políticos, os fundos de recuperação (pós-covid)", assegurou o ministro húngaro da Economia, Mihály Varga, num comunicado difundido depois da reunião do Conselho de Assuntos Económicos e Financeiros (Ecofin).

Segundo Varga, a situação atual viola a liberdade de concorrência, já que alguns países receberam no ano passado os fundos enquanto a Hungria e outros três ainda não tiveram acesso.

A CE advertiu em 2021 de que era improvável poder adotar em 2021 os planos de recuperação de países como Hungria e Polónia, com expedientes abertos em Bruxelas por problemas com o respeito ao Estado de direito.

Inclusivamente, o desembolso dos fundos de recuperação para a Hungria, de cerca de 7.000 milhões de euros, foram suspensos, já que Bruxelas não recebeu respostas satisfatórias do Governo do ultranacionalista Viktor Orbán a vários procedimentos.

O ministro da Economia repetiu esta terça a interpretação húngara de que a UE castiga o país por uma lei chamada de "defesa dos menores", que segundo os seus críticos é homofóbica ao relacionar homossexualidade com a pedofilia.