EFEMadrid

O impacto da covid-19 no tecido empresarial dos 27 países da União Europeia (UE) é aproximadamente um bilião de euros, com o qual o défice de capital pode chegar a 600.000 milhões de euros, segundo um estudo da Associação de Mercados Financeiros da Europa (AFME) e a PwC.

"Recapitalização das empresas da UE depois da covid-19" é o primeiro trabalho que avalia e quantifica de forma exaustiva o impacto que a pandemia vai ter nas empresas dos 27, as necessidades de capital destas empresas uma vez descontadas as ajudas públicas e privadas já aprovadas, e a necessidade de adotar medidas urgentes que permitam a recuperação das pmes.

Apesar dos programas de ajuda aplicados, o défice de capital poderá chegar aos 600.000 milhões de euros, uma vez descontados os apoios dos governos e o setor privado.

A Europa precisa aproximadamente um bilião de euros de capital para enfrentar a saída da crise. Além disso, estão apenas disponíveis entre 400.000 e 550.000 milhões de euros de capital e híbridos do setor público e privado em toda a UE para os próximos dois anos.

Como tal, as empresas europeias vão precisar de aceder a entre 450.000 e 600.000 milhões de euros para evitar um aumento muito prejudicial da alavancagem e flexibilidade operativa do setor empresarial europeu em geral.