EFEBruxelas

A taxa de inflação anual na Zona Euro aumentou duas décimas em julho, até 0,3%, conforme "muitas das medidas de contenção da COVID-19 têm sido levantadas gradualmente", informou esta terça o escritório de estatística comunitária Eurostat.

Quanto aos principais elementos da inflação, os alimentos, álcool e tabaco registaram este mês a taxa anual de inflação mais alta (3,1% frente ao 3,4% em maio), seguida dos serviços (1,2%, em comparação com o 1,3% do mês passado), segundo a estimativa preliminar difundida pelo Eurostat.

Por sua parte, a inflação dos bens industriais não energéticos mantém-se estável em 0,2%, enquanto a dos preços da energia fica em 9,4%, frente ao 11,9% observado em maio.

A inflação subjacente na Zona Euro, que exclui o efeito dos preços da energia e os alimentos frescos por serem os mais voláteis, fica em junho em 1,1%, menos uma décima que no mês anterior.

Por países, as maiores taxas de inflação foram registadas na Eslováquia (1,9%) e Países Baixos (1,7%), enquanto as menores foram observadas no Chipre (-2,5%) e Grécia (-1,7%).

O Eurostat vai publicar o índice armonizado de preços de consumo (HICP) com os dados completos do mês de junho no próximo 17 de julho.

(Mais informação sobre a União Europeia em euroefe.euractiv.es)