EFERoma

O banco italiano Carige, sob administração direta do Banco Central Europeu (BCE) desde janeiro, alcançou um acordo com investidores privados para aprovar uma ampliação de capital de 700 milhões de euros e evitar a sua quebra.

A entidade informou ontem à noite do acordo em comunicado e detalhou que os participantes são o Fundo Interbancário de Garantia de Depósitos (FITD), a Cassa Centrale Banca-Crédito Cooperativo Italiano (CCB), a Sociedade de Gestão de Atividades (SGA) e outras instituições financeiras líderes.

Além da ampliação de capital, vão ser emitidas "warrants" (opções sobre ações) e um novo empréstimo subordinado clasificable como instrumento de capital Tier2 no valor de 200 milhões de euros.

Também vão ser reconhecidas uma série de ações livres com um valor de 10 milhões de euros a favor dos acionistas atuais contra as ações abaixo de um certo umbral e o Fundo de Garantia irá outorgar à CCB uma opção de compra de todas as suas ações ordinárias após o aumento de capital.

O banco Carige definiu este acordo vinculativo como "um passo fundamental no projeto de reorganização do banco e a combinação de negócios iniciada, com uma forte conotação industrial".

A solução deve ser aprovada pelos acionistas do banco em reunião convocada brevemente e também pelos órgãos de supervisão correspondente.