EFETóquio

O Governo do Japão, que mantém as fronteiras do país praticamente fechadas desde o começo da pandemia de covid-19, anunciou esta quinta-feira que a partir do próximo dia 10 de junho irá voltar a permitir a entrada no país de turistas estrangeiros.

A medida, anunciada pelo primeiro-ministro nipónico, Fumio Kishida, é um novo passo na flexibilização das restrições fronteiriças que o país tem aplicado nos últimos meses, e em meados de maio anunciou que ia permitir o acesso limitado de pequenos grupos turísticos de quatro países como teste.

A entrada de turistas será inicialmente limitada a viajantes que participem em tours organizados, de modo a facilitar a aplicação de medidas anticontágio, segundo indicou Kishida num ato realizado esta quinta em Tóquio.

O levantamento de restrições para os turistas será também aplicado com base numa lista de países considerados de baixo risco, que será atualizada em função da situação da covid-19, explicou o Ministério dos Negócios Estrangeiros em comunicado.

As autoridades japonesas também elaboraram normas anticontágio que os alojamentos e operadores turísticos terão que aplicar, e vai exigir que os visitantes adiram a medidas preventivas, como o uso de máscara.

O Japão, no âmbito da sua estratégia para evitar a propagação do coronavírus e da sua variante Ómicron, tem as suas fronteiras fechadas a visitantes de todo o mundo desde o início da pandemia em 2020, e até há uns meses também proibia a entrada de pessoas com novos vistos de estudos, de trabalho e viagens de negócios.

Estas férreas restrições "eram necessárias para garantir que o nosso serviço de saúde mantinha bases sólidas e deu-nos tempo para administrar vacinas", disse Kishida no evento organizado pelo jornal japonês Nikkei.

O arquipélago japonês permite atualmente a entrada no seu território de 10.000 viajantes por dia, entre os quais cidadãos nacionais e residentes estrangeiros, assim como novos residentes com os já mencionados vistos ou visitantes de negócio.