A presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, advertiu esta quinta-feira que "a pandemia ainda cria sérios riscos para a saúde pública e para as economias da Zona Euro e ao nível mundial".

Lagarde disse na conferência de imprensa após a reunião do Conselho de Governo do BCE que "o início das campanhas de vacinação na Zona Euro é um marco importante para a resolução da atual crise sanitária".

O reaparecimento das infeções por covid-19 e o prolongamento das medidas de confinamentos impostas em muitos países da Zona Euro "perturbam a atividade económica", segundo Lagarde.

O BCE decidiu esta quinta-feira manter as taxas de juro e o volume de compras de dívida de emergência face à pandemia em 1.85 biliões de euros para apoiar a economia da Zona Euro face ao prolongamento dos confinamentos.

Lagarde acrescentou que "a produção provavelmente contraiu-se no quarto trimestre e a intensificação da pandemia cria riscos de queda para as perspetivas económicas a curto prazo".

A inflação permanece muito baixa devido à fraca procura e à estagnação significativa nos mercados de trabalho e de emprego. Os últimos dados disponíveis confirmam que a pandemia terá um "impacto pronunciado a curto prazo na economia" e enfraquecerá a inflação durante um período de tempo prolongado, de acordo com a presidente do BCE.

O reaparecimento da pandemia e a intensificação das medidas de confinamento terão gerado uma queda na atividade económica no quarto trimestre de 2020 e afetarão também a economia no primeiro trimestre deste ano, acrescentou Lagarde.