EFESintra (Portugal)

A presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, instou esta quarta-feira às autoridades fiscais a avançarem para medidas de apoio temporárias e concretas, em vez de medidas gerais, como "infelizmente" se tem visto até agora.

Durante o seu discurso no fórum do Banco Central Europeu (BCE) que se realiza esta semana em Sintra (Portugal), Lagarde recordou que a situação da inflação na Zona Euro é fortemente influenciada pela energia e pelo impacto da guerra na Ucrânia.

A evolução futura, salientou, será condicionada por baixos níveis de desemprego, poupança das famílias e política fiscal, que, sublinhou, terão de avançar no sentido de proteger os mais vulneráveis em vez de adotar medidas gerais.

No que diz respeito à política monetária, ressaltou a necessidade de esta ser gradual e opcional, porque "mover-se gradualmente é apropriado em tempos de grande incerteza", mas, à medida que a situação se torna mais clara, "teremos de ser menos graduais" e mais opcionais, salientou.

Por sua parte, o presidente da Reserva Federal dos EUA (Fed), Jerome Powell, defendeu que o seu principal objetivo é conseguir o equilíbrio na economia americana, de modo a que a inflação desça ao mesmo tempo que se mantém um mercado laboral forte.

"É esse o objetivo", acrescentou, "acreditamos que o podemos fazer", mas "não há garantias de que seja esse o caso".