EFEBerlim

O diretor-executivo da companhia aérea alemã Lufthansa, Carsten Spohr, disse estar convencido de que serão impostas ao nível global proibições de voo para pessoas não vacinadas contra a covid-19.

Estes já não podem entrar nos Estados Unidos, e "observamos esta tendência ao nível global", disse em declarações ao jornal regional "Westdeutsche Allgemeine Zeitung (WAZ), sublinhando que "para os vacinados e curados a liberdade global vai-se manter".

Por outra parte, aludiu às vantagens da vacina obrigatória, algo que irá entrar em vigor na Áustria e está já a ser implementado para os trabalhadores dos voos da Swiss, filial suíça da Lufthansa.

Tanto na Swiss como na Austrian Airlines, filial austróaca do consórcio, praticamente todo o pessoal de voo está vacinado, enquanto na Alemanha mais de 90% já o está, segundo indicou.

O responsável da companhia aérea acrescentou que a vacinação obrigatória é algo que "os políticos têm que decidir", e aludiu à taxa de vacinação na Alemanha, uma das mais baixas da Europa, com apenas 68,4% da população vacinada.

"Decepciona-me que o povo de poetas e pensadores não seja mais ilustrado e aberto relativo à medicina e à tecnologia modernas", lamentou.