EFEParis

O presidente francês, Emmanuel Macron, vai fazer nos próximos meses um processo de "debate" e "concertação" sobre o seu projeto de reforma do sistema de pensões, a mais explosiva potencialmente do seu mandato.

Desde a cidade de Bagnères de Bigorre, nos Pireneus, Macron disse que o Governo se irá pronunciar sobre o conteúdo da reforma no final deste ano ou começos do próximo, uma vez terminado o debate.

Isso vem a confirmar o cenário do qual se falou nos últimos dias, com a apresentação de um projeto de lei em dezembro ou em janeiro e o começo do debate parlamentar depois das eleições municipais de março.

O chefe do Estado explicou que o relatório que apresentou nesta quinta-feira o comissário da reforma das pensões, Jean-Paul Delevoye, oferece "transparência" e procura "reconstruir um contrato com a nação".

Disse que o seu Governo o vai utilizar para a concertação social que se vai a desenvolver durante "uns meses" para que se possam examinar as consequências categoria por categoria.

Macron justificou a reforma porque "o sistema agora é bastante injusto. Há categorias que saem muito favorecidas (...). Há outras que estão muito desfavorecidas". Em qualquer caso, cuidou-se de não culpar ninguém dessa situação: "é o resultado de décadas de estruturação do nosso sistema atual".