EFEMadrid

A vice-presidente do Governo e ministra de Assuntos Económicos de Espanha, Nadia Calviño, considerou que o PIB é um indicador útil mas insuficiente para dar a medida exata dos recursos e da capacidade da economia do país, pelo que instou a uma revisão e ampliação das métricas.

Calviño inaugurou esta segunda-feira um fórum de análise sobre a necessidade de desenvolver novos indicadores económicos que conta com a participação do nobel Joseph Stiglitz ou do comissário europeu Paolo Gentiloni e que será encerrado pelo presidente do Governo espanhol, Pedro Sánchez.

Na sua opinião, é "difícil captar com apenas um dado os recursos de um país, as suas infraestruturas ou o sentir dos cidadãos", e embora ninguém duvide de que o PIB se tenha revelado útil durante muitos anos, "tem limites e deficiências".

Além disso, as alterações digitais e tecnológicas questionam a capacidade das métricas tradicionais para captar o progresso da economia, pelo que as estatísticas "devem ser repensadas e incorporar considerações sociais, como a desigualdade ou aspetos climáticos".

De acordo com a ministra, o conceito de bem-estar e prosperidade estão a evoluir, e para tomar as melhores decisões há que contar com a análise adequada.