EFECaracas

A moeda venezuelana, o bolívar, já se desvalorizou 97,36% desde o início de 2019, situando-se esta quinta-feira em 24.228,33 bolívares por dólar, um grande contraste com os 638,18 bolívares que costumava custar a divisa dos Estados Unidos no dia 2 de janeiro, segundo a cotação oficial do Banco Central da Venezuela (BCV).

Pela segunda vez em duas semanas, a cotação do dólar aproximou-se da marca de 25 mil bolívares, embora em 30 de outubro, após fechar em 24.415,07, tenha caído para 22.493,91.

Com o resultado desta quinta-feira, o salário mínimo estabelecido pelo Governo foi fixado em 6,19 dólares por mês. Com esse valor, o rendimento mensal de três milhões de funcionários públicos e cinco milhões de pensionistas fica abaixo de 1,25 dólares por dia, quantia determinada pela ONU para marcar a extrema pobreza.

O país tem controlos cambiais desde 2003, mas desde maio o Governo do presidente Nicolás Maduro tem permitido uma maior flexibilidade na tentativa de capturar divisas para o Tesouro, afetado pela contração da produção de petróleo, a sua principal fonte de receita.

Através das chamadas mesas de câmbio, pessoas e empresas vão aos bancos e casas de câmbio para oferecer e comprar dólares e euros, além de receber remessas familiares do exterior.

No entanto, muitos utentes ainda optam pelo mercado não oficial para negociar divisas, no qual o dólar é normalmente cotado acima do marcador BCV. Nesta quinta-feira, a média estava acima de 25 mil bolívares por dólar.

No meio da crise económica venezuelana, o dólar tornou-se na moeda usada por pequenos comerciantes, prestadores de serviços e pessoas físicas, seja através de pagamentos em dinheiro ou transferências eletrónicas.

De acordo com um estudo da empresa venezuelana Ecoanalítica, compartilhado na sua conta no Twitter, 53,8% das transações no país são feitas com moeda estrangeira, o que significa um aumento em relação à amostra recolhida em abril, cujo resultado foi de 40%.

O preço do dólar na Venezuela aumentou cerca de 6.381.800 vezes em 2018, passando de 10 bolívares por unidade cotada no mercado oficial em janeiro para 638,18 -ou 63.818.000 antes da conversão monetária que cortou 5 zeros-, marca na qual estava no fim do ano passado.