EFEMoscovo

A agência de rating Moody's confirmou que a Rússia incorreu na véspera num incumprimento sobre dois 'eurobonds' no valor de quase 100 milhões de dólares, pois os investidores não receberam os fundos adequados depois do fim do período de carência de 30 dias.

Num relatório publicado pelo serviço de investidores da Moody's, a entidade afirma que, sob a sua definição, esta situação representa "um evento de suspensão de pagamento".

Rússia incorre assim pela primeira vez desde 1918 em bancarrota. Já sofreu uma situação de incumprimento em 1998, durante a presidência de Boris Iéltsin, devido a cerca de 40.000 milhões de dólares, mas em dívida nacional. No entanto, o Governo teve então que declarar uma moratória sobre o pagamento da dívida externa.

O Governo russo afirma que não se pode falar de bancarrota pois pagou ao Depósito Nacional de Liquidações (NSD) a 20 de maio -sete dias antes do estabelecido e cinco dias antes do fim da licença dos EUA que lhe permitia fazer frente à dívida externa em dólares- 71,25 milhões de dólares por um 'eurobond' com vencimento em 2026 e 26,5 milhões de euros pelos de 2036.

Esses pagamentos foram transferidos a 24 e 25 de maio, respetivamente, pelo NSD -sob sanções da União Europeia (UE) desde junho- a intermediários financeiros internacionais como a Euroclear, que depois não passaram aos detentores destes 'eurobonds' devido às sanções ocidentais impostas à Rússia pela sua campanha bélica na Ucrânia.

No seu relatório, a Moody's considera "provável que aconteçam mais incumprimentos em futuros pagamentos de títulos".