EFETóquio

O novo diretor-executivo da Nissan Motor, Makoto Uchida, apostou esta segunda-feira por "reforçar e aprofundar" a aliança que esta empresa mantém com a Renault e com a Mitsubishi Motors, e assinalou que o fabricante nipónico não considera pelo momento uma fusão com a Renault.

Uchida pronunciou-se assim durante o seu discurso de apresentação como novo máximo responsável pela Nissan, depois de assumir o cargo em outubro em substituição de Hiroto Saikawa e após o escândalo de irregularidades fiscais que causou a detenção e a destituição de Carlos Ghosn.

O CEO afirmou no seu discurso na sede da Nissan em Yokohama (ao sul de Tóquio) que as suas prioridades serão recuperar a confiança dos clientes e promover a transparência na empresa, após uma série de "más condutas de executivos que revelam problemas na gestão e no governo corporativo".

"Estes problemas danificaram a nossa reputação e custaram-nos um rápido declive nos nossos resultados empresariais", disse Uchida em alusão à queda nas vendas e do lucro operacional da Nissan entre abril e setembro, o primeiro semestre do ano fiscal japonês.

Uchida ressaltou durante o seu discurso a importância que a aliança com a Renault e com a Mitsubishi tem para a Nissan, e sublinhou que representa "uma importante vantagem competitiva" para a empresa nipónica.

No entanto, destacou que "o que cada empresa faz dentro da aliança deve ser mutuamente benéfico", e mostrou-se partidário de "discutir proximamente o futuro" do modelo de cooperação tripartite e ao mesmo tempo de "defender a independência" da Nissan.