EFEEstrasburgo (França)

O Parlamento Europeu (PE) aprovou esta quinta-feira a sua posição para negociar o orçamento da União Europeia para 2022, reivindicando que seja 5% mais elevado do que em 2021, com 171.800 milhões de euros em compromissos de pagamento.

A proposta do PE, cuja resolução adjunta foi aprovada com 521 votos a favor, 88 contra e 84 abstenções, é também 2,6% superior que a avançada pela Comissão Europeia no projeto orçamental para este ano, que contempla 167.500 milhões de euros em compromissos (o dinheiro que a UE pode atribuir anualmente).

Segundo a proposta do PE, os pagamentos (o dinheiro desembolsado) ascende a 172.500 milhões de euros, quase 4% acima do valor de 2021 e 2% superior aos 169.200 milhões do projeto do Governo comunitário.

Para além deste desembolso do orçamento anual, os países da UE receberão um total de 78.000 milhões do fundo de recuperação NextGeneration criado devido à pandemia.

O Parlamento Europeu destaca na sua resolução que o orçamento de 2022 deve apoiar a recuperação após a crise da covid-19, combater o desemprego e aumentar o investimento, com particular incidência nas pequenas e médias empresas, na transição verde e digital, na juventude e na proteção da infância.

Em concreto, os eurodeputados pedem aumentar o orçamento do programa de investigação Horizon (mais 305 milhões do que a proposta original), do Connecting Europe para a construção de ligações de transporte e energia (mais 207 milhões) e do programa LIFE de ação climática e ambiental (mais 171 milhões).

Pedem também um aumento das verbas para o programa de intercâmbio Erasmus+, a Garantia Europeia para a Infância e o novo programa de saúde EU4Health, bem como o orçamento para a ajuda humanitária e o Fundo de Asilo, Migração e Integração, particularmente depois da situação no Afeganistão.

A votação do Parlamento Europeu abre um período de três semanas para negociar as contas com o Conselho (os Estados-membros), que é favorável a uma ligeira redução dos compromissos propostos pela Comissão para quase 167.700 milhões, mas aumentando os pagamentos para 170.000 milhões.