EFENova Iorque

A Pfizer anunciou esta quarta-feira que obteve um lucro líquido de 10.440 milhões de dólares (8.845 milhões de euros) no primeiro semestre de 2021, mais 53% do que no mesmo período do ano passado, impulsionado pela sua vacina contra a covid-19 que desenvolveu juntamente com a alemã BioNTech.

A Pfizer revelou em comunicado que a sua faturação nos primeiros seis meses de 2021 foi de 33.559 milhões de dólares, um aumento de 68% em relação ao ano anterior, graças maioritariamente a uma forte contribuição das vendas da sua vacina contra a covid-19 no segundo e mais recente trimestre.

Nesse período, o mais valorizado pelos analistas de Wall Street, a empresa com sede em Nova Iorque registou um lucro de 5.563 milhões de dólares (+59%) depois de ter praticamente duplicado as receitas para 18.977 milhões (+92%).

"O segundo trimestre foi extraordinário de várias maneiras. Mais visivelmente, a rapidez e eficiência dos nossos esforços com a BioNTech para ajudar a vacinar o mundo contra a covid-19 não tem precedentes, e foram distribuídas globalmente mais de 1.000 milhões de doses da BNT162b2", disse o seu diretor-executivo, Albert Bourla.

De acordo com as suas contas, a Pfizer conseguiu no segundo trimestre 7.800 milhões em vendas diretas e receitas combinadas da vacina contra o coronavírus, um bom resultado que levou a empresa a rever em alta as suas estimativas para o ano inteiro.

A empresa espera ganhar este ano 33.500 milhões de dólares só com a vacina, atribuíveis às 2.100 milhões de doses que se comprometeu a entregar até metade de julho no âmbito dos seus contratos assinados.