EFEMadrid

A Ryanair enfrenta este domingo uma nova jornada de greve dos seus tripulantes de cabine em Espanha, à qual se somam na próxima semana o coletivo espanhol de pilotos em protesto pelo fecho das bases espanholas de Tenerife Sul, Gran Canaria, Lanzarote e Gerona, e o britânico para exigir melhorias laborais.

A companhia aérea irlandesa prevê que todos os voos para/desde os aeroportos espanhóis deste domingo operem segundo o previsto, apesar da quinta jornada de greve convocada pelos sindicatos USO e Sitcpla no coletivo de tripulantes de cabine.

A Ryanair qualificou de "lamentável" e de "injustificada" a greve, que augura que irá secundar um pequeno número de tripulantes de cabine espanhóis.

Na próxima quinta-feira o sindicato espanhol de pilotos Sepla irá protagonizar a primeira das cinco jornadas de greve convocada na Ryanair pelo fecho destas bases que, segundo as suas previsões, suporia o despido de mais de 500 empregados da companhia aérea, entre eles 150 pilotos.

Concretamente, os pilotos espanhóis estão chamados a fazer greve nos próximos dias 19, 20, 22, 27 e 29 de setembro.

Além disso, os pilotos da Ryanair no Reino Unido convocaram recentemente sete jornadas mais de greve nos dias 18, 19, 21, 23, 25, 27 e 29 de setembro, coincidindo os dois últimos dias com a de tripulantes e pilotos espanhóis.