EFEMadrid

O Partido Popular (PP, conservador) mostrou-se esta quarta-feira contra um aumento do salário mínimo em 2022, algo pretendido pelo Governo espanhol, ao considerar que "não é o momento" para o fazer devido ao atual contexto económico marcado pela incerteza.

Num encontro com jornalistas organizado hoje, fontes do PP argumentaram que o salário mínimo em Espanha -atualmente fixado nos 965 euros mensais brutos- "subiu muito nos últimos tempos", aumentos que já causaram "problemas no setor primário e no serviço doméstico", entre outras áreas.

O principal grupo da oposição defendeu que qualquer aumento deste conceito deve estar ligado a uma melhora da produtividade, e pediu ao Executivo liderado pelo socialista Pedro Sánchez -que propõe elevar o salário mínimo em 2022 entre 24 e 40 euros com base na recomendação de uma comissão de especialistas- a "trabalhar para que haja as condições" económicas que permitam assumir esse aumento salarial.