EFEDublin

A companhia irlandesa de voos económicos Ryanair informou esta quarta-feira que transportou 70.000 passageiros durante o passado maio, uma queda de 99,5% a respeito do mesmo mês de 2019 e causada pela pandemia de coronavírus.

Ao todo, a companhia com sede em Dublin indicou que "apenas" operou 701 voos em maio, a maioria trajetos entre Irlanda e o Reino Unido.

Contudo, a Ryanair explicou em comunicado que efetuou nesse período "um número de voos médicos e de resgate" a pedido de "vários Governos" da União Europeia (UE).

Relativamente ao seu tráfico anual, a companhia, líder na Europa do setor de baixo custo, transportou 121 milhões de passageiros nos doze meses até ao passado abril, menos 17% que em 2019.

A Ryanair advertiu esta quarta-feira que, devido às "múltiplas restrições e proibições" de voo impostas pelas autoridades, prevê manter um "tráfico mínimo" durante este mês de junho.

A empresa irlandesa confia que o desconfinamento provoque um aumento no seu número de clientes, pois prevê operar até 40% do seu programa habitual de voos a partir do próximo 1 de julho, após manter em terra quase toda a sua frota de aviões durante a crise do coronavírus.