EFEWashington

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, usou o Twitter esta segunda-feira para anunciar que vai retaliar medidas do Brasil e Argentina com a restauração de tarifas sobre aço e alumínio dos dois países.

"Brasil e Argentina aplicaram uma desvalorização massiva das suas moedas, o que não é bom para os nossos agricultores", afirmou o presidente ao começo da manhã.

"Portanto, com efeito imediato, vou restaurar as tarifas de todo o aço e o alumínio enviado para os EUA a partir desses países", completou o presidente americano.

Em maio de 2018, o governo da Argentina anunciou que colocaria limites nas exportações de alumínio e aço para os Estados Unidos, com o objetivo de evitar as taxas anunciadas por Trump.

Poucos dias depois, o governo brasileiro chegou a acordo com o americano, aceitando uma tarifa de 10% sobre o alumínio e limites nas vendas de aço.

Trump aproveitou para criticar o Federal Reserve (Fed), a quem atacou diversas vezes, garantindo que o sistema de bancos centrais dos EUA deveria ser mais atuante.

"Para que países, que são muitos, não se aproveitem mais o nosso dólar forte, desvalorizando ainda mais as suas moedas. Isso torna muito difícil para os nossos fabricantes e agricultores exportarem os seus produtos de maneira justa", afirmou.

O presidente americano cobrou que o Fed promova a redução dos juros e afrouxe a política monetária.

Trump destacou que os mercados financeiros dos Estados Unidos subiram cerca de 21% desde o anúncio da política de taxações e que houve aumento da arrecadação, especialmente com as tarifas de produtos da China.

Em setembro deste ano, o ministro dos Negócios Estrangeiros do Brasil, Ernesto Araújo, durante uma visita a Washington, afirmou que o governo de Jair Bolsonaro e o dos EUA anunciariam em breve um acordo de livre comércio, sem dar uma data específica.

Recentemente, o real registou uma forte desvalorização face ao dólar, atingindo na última sexta-feira 9,43% desde o início do ano.