EFEBruxelas

Depois de quatro anos de negociações, a União Europeia (UE) e a Nova Zelândia assinaram esta quinta-feira um acordo de livre comércio com o qual esperam aumentar as suas transações em 30%, segundo explicou a presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen.

"Hoje concluímos as negociações do tratado de livre comércio", disse Von der Leyen em conferência de imprensa ao lado da primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, descrevendo o acordo como "histórico".

O pacto, que deverá agora ser ratificado por Bruxelas, os países europeus e Wellington, vai reduzir as barreiras comerciais na troca de bens e serviços, pelo que a UE -que exporta à Nova Zelândia principalmente produtos manufaturados- e o país do Pacífico -que vende sobretudo produtos agrícolas ao mercado interno europeu- poderão fazê-lo a um preço mais baixo.