EFEBruxelas

Pela primeira vez na sua história, a União Europeia (UE) consumiu em 2020 mais eletricidade de produção renovável (38%) do que fóssil (37%), de acordo com o relatório de progresso da União da Energia divulgado esta terça-feira pela Comissão Europeia (CE).

O relatório destaca que "em 2020, pela primeira vez, as energias renováveis ultrapassaram os combustíveis fósseis como a principal fonte de energia da UE (38%, enquanto os combustíveis fósseis foram 37% e a energia nuclear foi 25%)", destaca o relatório.

A Comissão acrescenta que "a proporção de fontes de energia renováveis na combinação energética global da UE deverá chegar a pelo menos 22%, embora alguns Estados-membros corram o risco de não cumprir o seu objetivo nacional vinculativo".

Dentro do pacote legislativo apresentado pela Comissão para reduzir as emissões de CO2 em 55% até 2030 relativamente a 1990, de modo a descarbonizar a economia até metade do século, propõe-se aumentar o objetivo de renováveis na UE.

Em concreto, a Comissão quer que se chegue a 40% de energias renováveis até 2030 em comparação com o objetivo atual de 32%, embora este pacote legislativo ainda precise de ser negociado com os Estados-membros e o Parlamento Europeu.

O mesmo relatório assinala que a dependência da UE nas importações energéticas líquidas atingiu o seu nível mais elevado em 30 anos no ano de 2019, com 60,6% a respeito de 58,2% em 2018 e 56% em 2000.