EFEBruxelas

A União Europeia elevou o seu investimento através do Fundo de Investimentos Estratégicos da UE (EFSI), mais conhecido como Plano Juncker, a 71.400 milhões de euros até fevereiro, informou hoje a Comissão Europeia em comunicado.

Do total deste investimento, 53.600 milhões provêm do Banco Europeu de Investimento (BEI) e 17.800 milhões do Fundo Europeu de Investimentos (FEI).

Bruxelas calcula que este financiamento vai permitir gerar investimentos adicionais de fontes públicas ou privadas de 379.800 milhões de euros, um número que ainda está abaixo do seu objetivo de mobilizar 500.000 milhões para 2020.

Espanha é o quarto país da União Europeia (UE) que mais beneficiou do EFSI, com um financiamento de 8.087 milhões desde a sua implementação em 2015, só superado pela Grécia, Estónia e Portugal, segundo os números publicados hoje.

Até ao final de 2018 tinham-se investido através deste instrumento 70.400 milhões de euros, pelo que no início de 2019 o financiamento aumentou em 1.000 milhões de euros.

O Fundo Europeu de Investimentos Estratégicos é o principal veículo com que o Plano de Investimentos para a Europa -mais conhecido como "Plano Juncker"- conta para mobilizar o investimento público e privado na União Europeia, e recebe do orçamento dos Vinte e oito e de fundos fornecidos pelo BEI, que se encarrega de escolher os projetos aos quais se destina financiamento.

Este Fundo foi estabelecido em 2015 com o objetivo inicial de mobilizar 315.000 milhões de euros em financiamento comunitário e sobretudo privado para projetos na UE até 2018, embora a marca esteja agora nos 500.000 milhões para 2020.