EFEBruxelas

A proporção de consumo final bruto de energia proveniente de fontes renováveis na União Europeia (UE) em 2020 foi de 22,1%, isto é, dois pontos percentuais acima do objetivo do bloco comunitário, informou esta quarta-feira o gabinete de estatística comunitária, Eurostat.

"Este é um feito e uma meta importante no caminho da UE para a neutralidade climática para 2050", indicou o Eurostat em comunicado.

Para 2030, a UE marcou como objetivo que as renováveis representem pelo menos 32% do consumo energético total, enquanto a Comissão Europeia propôs aumentá-lo a 40%.

O Eurostat acrescenta que todos os Estados-membros da UE cumpriram com as suas metas nacionais para 2020, à exceção de França, que ficou em 19,1%, a 3,9 pontos do seu objetivo.

Os que mais se distanciaram do nível mínimo que lhes correspondia quanto a consumo de energia proveniente de fontes renováveis foram a Suécia (60,1% e 11 pontos percentuais acima do exigido), Croácia (31% e mais 11 pontos) e Bulgária (23,3% e 7 pontos), enquanto "alguns países" tiveram que recorrer a "transferências estatísticas" para cumprir os seus objetivos de 2020, segundo o Eurostat.

Para além do registo em função das metas, os países da UE que mais energia renovável consumiram em 2020 foram a Suécia (60,1%), Finlândia (43,8%) e Letónia (42%), e os que menos foram Malta (10,7%), Luxemburgo (11,7%) e Bélgica (13%).

Um relatório de progresso da União da Energia difundido em outubro pela Comissão Europeia assinalou que 2020 foi o primeiro ano na sua história em que a União Europeia consumiu mais eletricidade de geração renovável (38%) que fóssil (37%).